Pesquisa de tendências: guia completo sobre o assunto

pesquisa de tendências
17 minutos para ler

A pesquisa de tendências é uma ferramenta valiosa para delinear novas estratégias. Ela é realizada com a função principal de determinar padrões de consumo a partir da verificação e análise de dados relevantes, retirados de fontes tanto internas como externas à organização.

É possível aplicá-la, também, para gerar novas oportunidades de negócio, por meio do conhecimento adquirido sobre o mercado e os consumidores em potencial. A boa notícia é que é possível combinar as entrevistas com a coleta de dados por meio de ferramentas de Big Data. Vamos saber mais!

O que é pesquisa de tendências?

As tendências de mercado são movimentos amplos que apontam para determinados caminhos em relação ao modo como as pessoas adquirem produtos e serviços. Elas estão diretamente ligadas ao futuro próximo e, caso sejam adequadamente trabalhadas, ajudam os empreendedores no delineamento de novas estratégias de negócio.

As pesquisas de tendência são realizadas com a função de mapear essas movimentações e proporcionar vantagem competitiva à organização. Ela impede que a empresa fique estagnada e garante a capacidade de inovar.

Assim, para as empresas, esse tipo de pesquisa é um conjunto de ações destinadas a antecipar-se ao consumidor no mercado. Porém, tal estratégia não é desenvolvida no vácuo — principalmente hoje, com ferramentas evoluídas de Big Data e análise de dados, sobre as quais falaremos mais detalhadamente adiante.

Para o setor de marketing de uma organização, a tendência de mercado é um sonho realizado. Isso porque passa a contar com indícios mais precisos para trabalhar suas ações. No entanto, para isso acontecer, é preciso estar engajado em algumas atividades fundamentais, como:

  • realizar exercícios de análise, principalmente por meio de ferramentas tecnológicas;
  • desenvolver novas ideias por meio das informações extraídas;
  • monitorar as redes sociais, clientes em potencial e concorrentes;
  • acompanhar o mercado com atenção, para estar atualizado em relação aos diferentes movimentos relacionados ao consumo e preferências dos clientes.

Identificando o objetivo das pesquisas de tendência

Podemos exemplificar para ajudar o leitor a visualizar o cenário com mais clareza: digamos que o gestor de uma empresa que fabrique placas de vídeo de ponta para computadores deseje descobrir se existem clientes em uma determinada região. Sua principal intenção é elaborar produtos da forma mais versátil possível, contemplando diferentes tipos de consumidores.

Esse gestor entra em contato com uma companhia especializada em diferentes tipos de pesquisa e inteligência de mercado. Esses profissionais sabem que os estudos devem ser mais amplos e aprofundados para que surtam o efeito desejado.

Com as pesquisas em curso, o gestor descobre dados que revelam um crescente aumento de interessados em placas de vídeo mais possantes, já que o mercado de pessoas que utilizam editores de vídeo e jogam videogames modernos no computador tem aumentado significativamente.

Assim, esse gestor descobre uma tendência importantíssima para direcionar suas estratégias. E não apenas uma: além da possibilidade de desenvolver equipamentos mais robustos, ele também se torna ciente do amplo mercado de pessoas que precisam de processadores de alto desempenho.

De posse desses dados, fica claro para esse profissional que ele tem duas grandes tendências para trabalhar com crescimento estável para os próximos anos — isso porque equipamentos diferenciados costumam ser utilizados por mais tempo.

Assim, é possível entender como o cruzamento de dados revela nichos de mercado promissores, baseados em padrões estáveis. As pesquisas de tendências são, portanto, estudos que têm como principal função municiar os gestores com informações que os ajudem a se estabelecerem definitivamente como uma referência em seu ramo de atuação.

Diferenciando tendências de meros modismos

É comum que o termo “tendência” seja confundido com modas passageiras. Porém, há diferenças significativas: para mapear algo que esteja em ebulição por pouco tempo na sociedade e no mercado, não é preciso realizar nenhum tipo de pesquisa aprofundada. Eles aparecem em alta velocidade e somem de forma igualmente rápida, portanto, não sobrevivem pelo tempo suficiente para serem estudados.

Como exemplo, podemos citar alguns artigos que simplesmente desapareceram das prateleiras depois de uma ascensão veloz: alimentos como cupcakes, por exemplo, que já não contam com a mesma exposição do passado.

A grande diferença é que as tendências apontam para nichos específicos. Desse modo, os gestores e pesquisadores identificam um conceito geral que será aplicado a produtos e serviços diversos. Portanto, isso costuma ser mais duradouro que um modismo que consiga apenas alguns meses de fama.

Vamos retomar o nosso exemplo dos processadores e das placas de vídeo. Você pode ter percebido que a demanda principal é o poderio obtido por meio dessas máquinas, não necessariamente os equipamentos em si. Assim, temos um conceito (alta performance) que consegue se espalhar por peças diversas e satisfazer uma necessidade dos consumidores — e é por isso que esse tipo de pesquisa é tão importante.

Qual a importância de se antecipar?

Agora que já foi possível entender o que é a tendência de mercado, é hora de falarmos sobre o que ela produz: vantagem competitiva. Isso é feito por meio do aproveitamento das oportunidades disponíveis de se antecipar às demandas do mercado.

E o que isso significa, exatamente? Imagine uma empresa que simplesmente decide esperar para entender o que os clientes estão consumindo para, enfim, se lançar ao mercado. A intenção, aqui, seria aproveitar uma onda específica e se juntar às companhias que estão vendendo bem. No entanto, essa não é a estratégia mais efetiva.

Além de perder tempo tentando se igualar às organizações que já estão comercializando os seus produtos, toda essa preparação fará com que a sua empresa chegue tarde demais ao mercado, tentando lidar com consumidores já fidelizados por outras marcas. Até se firmar, as tendências já serão outras e você terá ficado para trás.

Assim, a principal vantagem das pesquisas de tendência é poder se preparar para triunfar no mercado ao compreender as principais oscilações e lançar produtos e serviços com o timing correto. Para isso, as equipes de marketing são essenciais, já que elas devem descobrir o que os consumidores querem e, a partir daí, desenvolver soluções que preencham lacunas significativas.

É importante notar que esse caminho difere fundamentalmente da abordagem tradicional do mercado, no qual a empresa cria um produto e o oferece no mercado. Levando as tendências em comparação, a empresa se concentra nas necessidades do cliente e passa a desenvolver produtos e campanhas de acordo com os padrões encontrados.

Quais são as formas de identificar tendências?

Realizar pesquisas de alto nível é um trabalho árduo, mas a boa notícia é que as empresas não especializadas podem delegar esse trabalho a colaboradores terceirizados. Dessa forma, os solicitantes passam a contar com profissionais com expertise na prática.

Agora, vamos conhecer os principais modelos de pesquisa terceirizada, suas principais características e benefícios.

Pesquisa quantitativa

É interessante notar que pesquisar tendências significa, também, buscar estudos quantitativos baseados em números concretos. A intenção desse tipo de pesquisa é obter uma mensuração precisa do desempenho e, para isso, são utilizados dados oriundos de séries temporais — informações com valores estabelecidos ao longo de diferentes momentos.

De forma geral, esses dados numéricos são representados em um gráfico, com um eixo X horizontal utilizado para demonstrar a passagem do tempo e elementos em Y usados para determinar a informação que você queira pesquisar.

A pesquisa quantitativa tem como principal intuito a coleta de dados e a apresentação desses elementos de forma estrutural. Para isso, são utilizados não somente gráficos, mas também tabelas e ferramentas estatísticas de alto nível.

Esse trabalho matemático é realizado por softwares desenvolvidos para calcular os dados obtidos por meio de questionários aplicados aos clientes ou até mesmo por questões de múltipla escolha — desde que estejam representadas de forma clara e objetiva.

Outro diferencial é a busca por resultados lógicos e é por isso que ela se adapta perfeitamente às pesquisas de tendência: ao ser aplicada às opiniões coletadas, os gestores poderão avaliar o impacto que uma novidade está exercendo no mundo dos negócios ou obter conhecimento preciso para desenvolver novos serviços e produtos.

Pesquisa qualitativa

A opção qualitativa está mais associada à busca de respostas obtidas por meios mais subjetivos. Aqui, o pesquisador opta por analisar sentimentos, desejos, anseios e insights mais espontâneos. O foco é mais abstrato e distante do rigor quantitativo. Isso não significa, porém, que as duas abordagens não possam ser utilizadas em conjunto.

A pesquisa qualitativa é uma espécie de verificação comportamental dos entrevistados selecionados para o estudo. As questões contidas aqui são mais abertas, de modo a deixar o cliente em potencial mais à vontade para exprimir opiniões mais subjetivas.

Dessa forma, temos uma abordagem mais espontânea. O entrevistado pode até conduzir a pessoa para um determinado aspecto, mas suas respostas não necessariamente se resumirão a “sim” ou “não”. A pesquisa qualitativa é bastante utilizada, portanto, para o lançamento de soluções inovadoras, recolhendo os insights dos consumidores para preencher lacunas no mercado.

O foco é na percepção por parte do consumidor. Assim, é uma ótima ideia reduzir os entrevistados a grupos menores e, se possível, conduzir estudos individuais. Isso porque o ato de reunir um grande número de pessoas em um só evento pode fazer com que algumas opiniões sejam influenciadas pelos membros mais ativos, perdendo um pouco do caráter subjetivo e exploratório.

Etnografia

Já a etnografia nasceu como uma metodologia nas ciências sociais, principalmente no campo da antropologia. Tal fato explica a sua natureza e o seu foco: o estudo aprofundado da cultura e do comportamento de determinados grupos.

O termo está diretamente associado à descrição cultural de um povo, já que o grego “ethnos” designa uma nação e “graphein” remete à escrita. Porém, o mais interessante é que a etnografia tem sido utilizada em outros campos de conhecimento, como o próprio universo corporativo e de marketing.

Assim, agências e empresas, principalmente aquelas mais envolvidas com monitoramento de mídias sociais, têm expandido as aplicações etnográficas. Antes restrita ao universo acadêmico, ela tem sido utilizada como um meio eficiente de produzir análises e relatórios diferenciados.

Porém, como ela é conduzida, exatamente? Mencionamos o seu caráter antropológico: assim, a etnografia tem como base o convívio, por um período amplo, em alguma comunidade específica, com o objetivo de observar o comportamento das pessoas investigadas, em diferentes contextos.

Dessa forma, um profissional pode ser designado para se “infiltrar” por um determinado período em um grupo específico de pessoas que compartilham interesses. Mas a prática nada tem de ilegal, já que a intenção é vivenciar um nicho de forma mais aprofundada.

Uma empresa que produza equipamentos de informática de alto desempenhos pode pedir a um colaborador que procure grupos em redes sociais de entusiastas dessas peças e interaja diretamente com essas pessoas, traçando padrões, por exemplo.

Software de CRM

O CRM, ou Customer Relationship Management (Gestão de Relacionamento com o Cliente), é um sistema desenvolvido para armazenar todas as informações relevantes sobre os clientes — principalmente aquelas capturadas em diferentes canais e pontos de contato, como conversas por telefone e chat, além de interações via site ou mídias diversas.

Esses softwares realizam o gerenciamento de forma otimizada. Isso porque também ajudam o gestor a descobrir tendências de mercado ao oferecerem funcionalidades analíticas e de acompanhamento de mídias.

É possível realizar análises preditivas de acordo com os hábitos dos clientes e desenvolver estratégias a partir das descobertas, tudo em tempo real. Além disso, o sistema também é alimentado com dados relacionados ao histórico de compras, preferências e tendências gerais de compra.

Para relacionar o CRM diretamente às estratégias de marketing e pesquisas de mercado, podemos destacar alguns aspectos relevantes mencionados pelos autores Philip Kotler e Kevin Keller. No livro “Administração de Marketing”, eles detalham maneiras de extrair o máximo possível de conhecimento por meio de um sistema de CRM. Isso pode ser feito pelo cumprimento de determinadas metas. Vamos conhecer algumas delas.

Adquira o cliente certo

Segundo os autores, é possível conseguir isso ao identificar de forma precisa os clientes em potencial. Nessa estratégia, o CRM ajuda a analisar e a controlar as oportunidades de venda, de modo ao manter no radar do seu negócio todas as possibilidades de conversão e ainda conseguir desenvolver as melhores estratégias.

Elabore a proposta certa de valor

Você pode realizar esse feito ao estudar quais são os seus produtos que os clientes precisam hoje e no futuro. Além disso, é importante identificar os serviços prestados pelos competidores para suprir as lacunas do seu próprio negócio.

O CRM também é vital nessa proposta, já que opera na captura de dados relacionados ao desempenho de vendas, desenvolve novos preços e ainda ajuda os gestores a identificar características em comum entre os clientes — dessa forma, será mais fácil se comunicar com eles.

Implemente os melhores processos

É possível obter essa vantagem competitiva ao estudar a melhor maneira de entregar os produtos aos seus clientes e agregar isso ao resultado das pesquisas de tendência. Ao combinar a agilidade em suas rotinas com a opinião dos consumidores, é possível descobrir as tecnologias nas quais você precisa investir e as habilidades de desenvolvimento que os seus colaboradores precisam.

Como o Big Data potencializa as pesquisas de tendência?

O uso adequado e organizado de dados simplifica a busca pelas tendências. A boa notícia é que, hoje, isso pode ser feito com o apoio de ferramentas analíticas de Big Data. Elas ajudam diretamente na elaboração de pesquisas, conferindo um maior nível de precisão ao processo.

Isso se explica pelo fato de que o sistema de coleta, organização e análise de dados possibilita o acesso rápido a informações internas e externas à organização. Desse modo, uma empresa que utiliza ferramentas de Big Data consegue cruzar elementos e interpretá-los de modo a estabelecer padrões e tendências de comportamento entre os consumidores.

Para facilitar, separamos algumas vantagens da aplicação direta do Big Data e como isso otimiza a pesquisa de tendências. Vamos conhecê-las.

Buscar conhecimento em fontes internas e externas

Um dos grandes diferenciais dos sistemas de Big Data é o estudo minucioso realizado sobre o histórico digital da companhia e as fontes externas, como dados relacionados aos clientes, fornecedores e parceiros.

Esse conhecimento pode ser combinado ao conhecimento interno levantado, de modo geral, pelas equipes de marketing e vendas. Assim, ao utilizar ferramentas de Big Data, será possível analisar grandes volumes de dados e descobrir novos insights.

Analisar informações com agilidade

Aqui, é importante destacar a praticidade da análise de dados realizada por sistemas de Big Data. Em poucos segundos e cliques, é possível agrupar dados estratégicos do próprio histórico digital da companhia e realizar o cruzamento com informações retiradas de dados públicos, como pesquisas realizadas por órgãos oficiais.

A partir desse levantamento, a empresa consegue escolher os filtros mais interessantes para definir uma segmentação, por exemplo, caso a sua intenção seja explorar um novo nicho e desenvolver novas personas.

Estabelecer variáveis específicas

Além da possibilidade de estabelecer variáveis para municiar as suas pesquisas de tendência, os sistemas de Big Data proporcionam à empresa definir filtros de busca adequados para explorar ainda mais os nichos e o tipo de consumidor ideal. Dessa forma, é possível combinar as ferramentas com técnicas como entrevistas em profundidade e delinear estratégias ainda mais precisas.

Visualizar o panorama do mercado

O Big Data oferece a possibilidade de mensurar de forma apurada a participação no ramo que uma empresa detém. Após estabelecer o perfil do consumidor ideal e estabelecer os nichos próprios de atuação, os gestores conseguem entender mais sobre aquele setor e identificar oportunidades de crescimento.

Desse modo, pode-se ampliar a chamada carteira de clientes, ou seja, buscar perfis semelhantes àqueles de clientes tidos como ideais e já fidelizados. O Big Data cruza dados e, por meio de funcionalidades como a segmentação por localização geográfica, potencializa as ações de marketing do seu negócio. Isso porque os profissionais da área passam a contar com dados mais apurados para traçar estratégias.

Se a sua empresa não consegue lucrar muito em determinada região, essa solução digital proporcionará duas possibilidades igualmente interessantes: ajudá-lo a se concentrar em mercados mais rentáveis ou testar novas abordagens em áreas que consomem pouco os seus produtos.

Como aplicar as pesquisas de tendências na empresa?

Produtos

Para exemplificar, podemos pensar em uma consulta a dados públicos otimizada por ferramentas eficientes de Big Data. Uma pesquisa pode indicar, por meio de informações encontradas na internet (em institutos oficiais e artigos acadêmicos, por exemplo), que há um amplo nicho de pessoas que preferem comprar equipamentos de informática pela internet.

Logo após, uma ferramenta como o Google Trends conseguirá repassar dados sobre o que exatamente as pessoas têm pesquisado para comprar. Após essas duas etapas, é possível combinar os resultados e identificar padrões e tendências de consumo em nosso país.

Desse modo, a empresa se concentra nessa estratégia e desenvolve produtos cada vez mais personalizados, mesmo que se concentre em um grupo específico de pessoas, com faixa etária e comportamento definidos.

Público

Outra aplicação possível tem a principal função de identificar o público-alvo de acordo com cada estratégia. Aqui, é hora de analisar e identificar as pessoas que buscam o produto comercializado pela sua empresa.

Além disso, será possível saber que tipo de abordagem influencia diretamente a decisão efetiva de realizar uma compra, como as pessoas reagem aos estímulos on-line e o que essas pessoas esperam dos produtos, sejam aqueles já comercializados ou na sondagem para novos lançamentos. Na condução da pesquisa de tendências, será possível investigar o quanto as pessoas estão realmente dispostas a pagar por essas mercadorias.

Concorrência

De posse dos dados fornecidos por uma pesquisa bem conduzida e aliada às ferramentas de Big Data, os gestores se informarão melhor sobre o posicionamento da concorrência. Todo profissional bem informado já reúne algumas noções sobre o que os seus competidores estão fazendo, mas com a transformação digital se torna ainda mais fácil obter informações mais apuradas.

Outra possibilidade interessante é descobrir o que influencia os consumidores na hora de escolher o produto de um concorrente, mas com a possibilidade de questioná-los diretamente em uma pesquisa de tendência. Isso pode ser feito o mais sutilmente possível: os responsáveis podem perguntar, por exemplo, sobre o que o atrai ao comprar determinadas mercadorias.

Como pudemos ver neste post, a pesquisa de tendências não se restringe à utilização de uma única metodologia para produzir resultados. Com a ajuda fundamental da tecnologia de ponta e de profissionais terceirizados, é possível focar as suas estratégias e baseá-las em informações relevantes para o negócio.

E aí, curtiu o artigo e se interessou pela oportunidade de firmar uma parceria incrível para conduzir as suas próprias pesquisas? Então, entre em contato conosco e conheça o nosso trabalho!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-