Entenda como funciona a entrevista em profundidade

entrevista em profundidade
4 minutos para ler

Para desenvolver estratégias eficientes e gerar toda a inteligência de mercado necessária para a criação de serviços de alto nível, é preciso inovar em suas pesquisas. Não basta simplesmente reunir pessoas em uma sala e esperar insights.

Com o auxílio da entrevista em profundidade, você conseguirá informações relevantes e exclusivas em seus estudos, gerando produtos que solucionem ativamente as dores de cabeça do seu público. Conheceremos mais sobre o conceito, suas vantagens e como aplicá-la. Confira!

O que é a entrevista em profundidade?

A entrevista em profundidade é uma técnica geralmente associada à pesquisa qualitativa. Nela, cada respondente é instigado a revelar suas motivações e preferências em relação a determinados tópicos. Por ser mais direta, costuma ser aplicada de forma individual, em vez dos tradicionais questionamentos em grupo.

Um entrevistador de alto nível é utilizado nesse tipo de estudo, principalmente em interações feitas na casa do cliente. Isso porque profissionais mais experientes conseguirão vencer a reticência inicial dos voluntários e conduzir as perguntas para outro caminho caso seja necessário.

Quais são as vantagens?

A entrevista em profundidade ajuda a colher respostas individuais mais isentas da influência geral – no caso de pesquisas conduzidas em grupo. Desse modo, ela possibilita um maior nível de autenticidade nos resultados, já que o voluntário é estimulado a falar livremente.

Outro aspecto importante é que ela tende a produzir informações mais completas e detalhadas. Ao buscar respostas aprofundadas, a empresa desenvolve conhecimento relevante para aplicar na personalização dos seus produtos e serviços, de acordo com nichos bem definidos.

Isso porque ela coloca em evidência o processo de decisão e as preferências dos clientes em potencial. Até por isso, as entrevistas em profundidade contam com um nível maior de flexibilidade, possibilitando modificações no curso das conversas.

Além disso, esse estudo em profundidade é perfeito para empresas que priorizam as técnicas projetivas, já que os dois métodos buscam respostas mais espontâneas e originais dos entrevistados. Técnicas como a personificação e o baralho de cartas são trabalhadas de forma ágil no questionamento individual.

Como realizá-la?

Toda essa teoria não valeria de muita coisa sem a devida prática, não é mesmo? Agora, apresentaremos uma série de ações destinadas a produzir os melhores resultados.

Escolha o seu tema

Buscar os entrevistados logo de início é tentador, mas o primeiro passo é escolher o objeto de estudo. É importante lembrar que você deve optar por assuntos que ajudarão efetivamente na solução de problemas dos representantes do seu público-alvo. Uma opção interessante é contar com a ajuda de ferramentas já consolidadas no mercado, como o Google Trends.

Estude a persona

Após a definição do tema, é hora de definir a sua persona, um perfil fictício de alguém que representa o nicho escolhido para investigação. Assim, analise as principais informações sobre ele, como tendências e preferências de consumo.

Elabore um roteiro

O ideal é evitar roteiros muito fechados, já que manter algo flexível garante que o entrevistado possa mudar os rumos da conversa, caso ele não esteja obtendo respostas esclarecedoras. Além disso, o entrevistador não deve ler as perguntas o tempo todo, pois isso pode desestimular o respondente e o trabalho pode se tornar robótico e entediante para o voluntário.

Se informe sobre o assunto

Na condução da entrevista, escolha primeiro as perguntas que demonstrem que você realmente estudou o assunto para se comunicar melhor com aquele cliente em potencial. Ao adotar essa postura, a confiança entre ambas as partes cresce. Desse modo, é possível demonstrar que você está realmente interessado em prover soluções para as dores de cabeça da persona.

Ferramentas como o Big Data são bastante eficientes para estabelecer padrões por meio da análise de um grande volume de dados digitais, englobando o estudo das redes sociais e o próprio histórico virtual de compras da companhia.

Agora que você já sabe como funciona a entrevista em profundidade, já pode começar a desenvolver os seus próprios roteiros. O importante é explorar um assunto com o qual você já tem familiaridade, já que, assim, será possível desenvolver serviços e produtos únicos.

Quer saber mais sobre esse tipo de estudo e sua relação com as tecnologias atuais? Então, leia o nosso post sobre como a utilização do Big Data Analytics incrementa a sua entrevista!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-